Vivendo um dia no Aeroporto

Estação TGV dentro do Gaulle

Checking – pegar malas – procurar pela estação de trem TGV – escovar os dentes – andar, andar e andar…
Olho o imenso aeroporto Charles de Gaulle e registro todas as informações novas. Estava com o espírito aliviado por conseguir tirar alguns euros do banco e procurava onde pegar meu bilhete de trem. Achei a fila e admirei os muitos rostos, cores e cheiros da também grande estação tgv que ficava dentro do aeroporto surgindo do subsolo num bonito feito arquitetonico.
Havia muçulmanos e negros africanos vestindo belos trajes hiper coloridos respectivamente caracteristicos, japoneses no estilo business, japonesas no estilo picachu(bonitinhas até), franceses e misturas vestidos como numa semana fashion de moda: uns bem bonitos e incríveis, outros bem estranhos e doidos; pessoas vestidas de maneira simples e é claro brasileiros: inconfundíveis aos meus olhos com sorrisos, roupas e o português na boca para quem quisesse ouvir.
Na fila também vi duas mulheres-meninas conversando alguma língua magia nórdica. Não pude deixar de olhar e uma delas correspondeu com o mesmo olhar curioso. A amiga foi embora e automaticamente conversamos. No começo com meu francês precário que durou uns 5 minutes até passar ao meu confortável inglês. E a conversa fluiu muito bem, trocamos o bilhete e tinha tempo até o trem a noite. Andamos, sentamos numa área aberta da estação, toquei um pouco de bossa na insistência da bela companhia e no almoço rimos de coisas bobas. Goshia estudou na França por alguns anos e agora voltava para fazer seu mestrado no oeste de língua francesa. Não vou descreve-la economizando palavras através de uma imagem, mas ela é acima de tudo muito simpática. Passou muitas dicas do pais, afirmou que a fama francesa de ter nariz em pé é verdadeira, porém inofensiva e também me confessou algumas coisas sobre a night local. A hora do trem dela chegou e lembro bem quando ela me disse com um belo sorriso: “Yuri, Your life here will be intense”.
Aproveitei o tempo para aprender como ligar ao Brasil, a minha amada maezinha atendeu e o papo foi calmo e menos emotivo do que previ. Claro, com todos os papos de mãe nunca dispensados. Andei mais um bocado e tirei um cochilo na área aberta.

Bom lugar para um cochilo e violão

 

Gochia em outro lugar, mas como ela é na minha memoria no aeroporto.

 

Mar de gente

Com calma os proximos posts serao com fotos proprias.

Anúncios

Sobre Yuri Mota

Sou Yuri Mota, carioca, estudante de engenharia, mochileiro, amante da boa música,de violão, canto e também amante de robôs e automobilismo. Amo a vida, me considero um privilegiado e gosto de tantas coisas que é difícil resumir aqui. o blog é sobre minhas viagens, minhas impressões e idéias sobre tudo que acontece ou não. Dando uma atenção especial ao estilo de viajar mochileiro, a reflexão sobre o comportamento humano e a pratica de trekking. É isso, leia e comente, por favor.
Esse post foi publicado em Estrada, França. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s